«

»

mar 04

A segurança do Trabalho na atividade policial civil

O trabalho policial civil é considerado uma atividade de alto risco. No entanto, algum tempo atrás, o policial civil era obrigado a enfrentar esse risco imposto pela sua atividade como se fosse um perigo inerente o seu trabalho.
Esse pensamento era imposto por agentes políticos que, nada faziam para proteger o policial civil na sua atividade de segurança pública, porque, os riscos dessa atividade eram inerentes ao trabalho policial e em conseqüência deveria ser suportado pelo trabalhador.
Em 1983, a Associação dos Funcionários da Polícia Civil do Estado de São Paulo, através do líder classista Hilkias de Oliveira, levantou a bandeira prevencionista do infortunismo na atividade policial, demonstrando que embora a atividade policial seja considerada de alto risco, o acidente no trabalho policial pode ser evitado com a implantação de uma política prevencionista com elaboração e implantação de normas que venham proteger a vida e a saúde do policial no exército da atividade de Segurança Pública.
Para o líder classista Hilkias de Oliveira o fato de o risco de vida ser inerente ao trabalho policial, não nos leva a aceitar a morte de um policial atingido por projeteis disparados por revólveres de delinqüentes. O nosso Estado/Patrão, tem o dever de evitar a morte do policial e o acidente de trabalho. No nosso entender o Estado empregador do policial tem obrigação de dar ao policial equipamentos de proteção individual, “coletes a prova de bala”, para proteger a vida do policial, e treiná-lo para este tipo de enfrentamento de risco.
Temos, portanto, que o ciclo trabalho, homem, e Segurança Pública deve encerrar princípios prevencionista contra o infortunismo no trabalho policial civil com a edição de normas no trabalho e com terinamento na Academia de Polícia de São Paulo, orientando o policial para uma atuação prevencionista para evitar o infortunismo na atividade policial.
É necessário destacar que até 1998, não havia qualquer legislação na área policial civil que viesse definir o acidente de trabalho na Polícia Civil ou doença profissional ou, mesmo, o acidente no trajeto. Com a Portaria dgp 19/98, o mundo policial ficou mais humano, graças às idéias prevencionista contra o infortunismo na atividade policial trazidas pela AFPCESP

Assessoria de Comunicação Bracol
Fonte: www.bracolonline.com